segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Achados mas não perdidos...

Fazendo a limpeza e reciclagem de todo o arquivo do escritório do meu falecido pai (por sucessão do meu avô), tenho encontrados algumas coisas interessantes. Na última revisão, encontrei dois livros:

1) IL CAFFÈ - Il suo paese e la sua impartanza (S. Paulo del Brasile). con 48 tavole, 7 diagrammi e carta delle zone caffeifere. De Ulrico Hoepli. Editora Libraio della Real Casa MILANO. 1910.




2) O Café - Observações Botanicas, producção, consumo; por F. Semler. Vertido do alemão por um velho fazendeiro. Typographia Salesiana, 1896. São Paulo.



Na primeira página do livro - IL CAFFÈ - há uma dedicatória... pena que só um especialista para entender o que está escrito...




Como está escrito, o primeiro livro - IL CAFFÈ - traz sete gráficos explicativos.

O primeiro dos "7 diagrammi" fala sobre a oscilação do preço médio do café, entre 1850/51 e 1909/10. A unidade de peso utilizada é 50kg. A unidade de valor é Liras.




No segundo "diagrammi", temos o comparativo da produção média de café: mundial, Brasil e outros países, em milhões de sacas, ente 1865 e 1910.




Já o terceiro "diagrammi" trás a produção média mundial de café, entre 1899/1900 e 1908/09, em milhões de sacas.




No "diagrammi" seguinte, 4º, é apresentado o consumo médio de café, em milhões de sacas, entre 1899/1900 até 1908/09.




No 5º "diagrammi", apresenta-se a divisão da produção mundial da safra 1908/09 de 16.685.000 de sacas de café, aonde São Paulo produziu mais da metade do café produzido no mundo, naquela safra: 10 milhões de sacas, seguido pelo Rio de Janeiro e Minas Gerais (juntos) com 3 milhões de sacas, e com Victoria e Bahia em terceiro, com 580.000 sacas. Ou seja, mais de 81% do café produzido no mundo, naquela safra, veio do Brasil!




Infelizmente, eu sou um ignorante em Italiano (uma vergonha para um Lazzarini, mas eu assumo...). Então o 6º diagrama ficará aqui, para quem puder ajudar e traduzir o que está escrito... agradeço antecipadamente!!! Salvo pela estimada amiga Jucelia Kohler:

Carissimo, não sou tão boa assim, mas aí vai:
"Diagrama de imposto de consumo de café ou de direitos de importação que se aplicam em vários países"




Enfim, o último "diagrammi"... mostra a exportação de café no ano de 1901/02 em sacas de 60kg, aonde cada saco da figura, representa 50mil sacas.




Note que, nesta safra, só o Brasil produziu quase o mesmo montante que a safra de 1908/09. Outra: Nesta safra (01/02), o mundo produziu aproximadamente 19,7 milhões de sacas de café: 82% foi produzido pelo Brasil.


Observando mais atentamente os dados dos gráficos: as safras mundiais entre 1902/03 e 1905/06 foram ruins - possivelmente os países produtores de café sofreram com o frio ou algum outro problema, exceto o Brasil, pois ele foi o responsável pela elevação das produção mundial, o que sustentou o abastecimento do consumo mundial crescente.Num momento inicial derrubou o preço médio do café (excesso de oferta?). Mas na sequência, mesmo numa produção crescente, o preço voltou a subir após 1905, quando o Brasil ganhou mais mercado, aumentando sua participação na produção mundial de 57% para 83%.


No livro "O Café", de Semler, 1896, há alguns parágrafos cuidadosamente assinalados a caneta (terá sido meu avô?). Dentre eles, destaco:

"Em quanto não se introduzir no commercio a praxe de avaliar-se a bondade do café por experiencias feitas com o café em infusão, há de servir de padrão o tamanho, a forma e a cor das favas."


"A discussão muitas vezes travada, com o fi de indagar-se a qual das qualidades de café deve se dar a palma, redunda em perda de tempo, prevalecendo n'estas materias o gosto individual. Mesmo o café Moka não faz excepção a esta regra, porque, tomado sem mistura, só agrada a pessoas acostumadas a café brandos. Sobre um ponto, todavia, não pode haver discussão: na preparação do café deve-se proceder como na do cacáo e do chá: deve-se fazer uma mistura de qualidades de café que se completem umas as outras. Existem varias qualidades de café de aroma delicado, mas cuja infusão tem pouco "corpo", expressão esta que passou do commercio do vinho para o café."


"O café Rioka é incontestavelmente melhorado com uma mistura de café Java. Se, porém, não se possuir alguma boa qualidade de café para misturar com as inferiores, deve-se usar de uma pequena adição de cacáo ou chocolate."


Ainda o mesmo livro "O Café", de Semler, 1896: o crescimento da exportação de café pelos portos do Rio de Janeiro e Santos:
"Em 1871-1872:
Rio de Janeiro = 246,600,000 libras
Santos = 59,400,000 libras
Total = 306,000,00 libras
Em 1880 - 1881:
Rio de Janeiro = 508,800,000 libras
Santos = 140,320,000 libras
Total = 649,120,000 libras
O augmento orçou nesses ultimos dez annos em 112%."

E, no final deste curioso livro, uma orientação:

"Quando o fazendeiro desejar estrumar o seu cafezal, o melhor alvitre, o mais scientifico e racional que tem de adoptar é simplesmente mandar á estação agronomica de Campinas uma amostra da terra, assim como a indicação da edade do cafezal.

O laboratorio de Campinas por pouco dinheiro, faz a competente analyse e mandará dizer a quantidade e a qualidade de estrume, que mais proveito lhe dará."


Um comentário:

victor disse...

André,

bacana esses livros. Será que o vovô lia bem em Italiano?

abraços

Victor